Caverna do Herói entrevista | Simone O. Marques autora da saga “Crônicas do Reino do Portal”

1 – Simone, vamos começar falando sobre seus trabalhos, atualmente conta com quantas publicações? Quando começou a escrever, e viu que seus trabalhos sairiam de sonho para virar realidade? 

Hoje eu tenho 12 livros publicados, alguns por editoras, outros, independentes.

Quando escrevi minha primeira história achei que tinha potencial, que estava realmente boa, decidi que deveria virar realidade e, então, fui caçar editora, mas, até então, não havia pensado em ser escritora. Resolvi postar a história em meu blog e ver se as pessoas iriam se interessar e saber a opinião delas. O retorno que tive foi realmente incrível e isso me deu a certeza de que eu deveria enveredar por esse caminho. Isso foi há dez anos e os livros em plataformas digitais ainda não existiam. Então, parti direto para a publicação em formato físico. Isso não quer dizer que consegui rapidamente e sem dores de cabeça, rsrsrsrs. Apesar de tudo, amo escrever e não me vejo deixando de fazê-lo, mesmo com todas as dificuldades que essa profissão apresenta.

2 – Como surgiu a inspiração para suas criações? 

A primeira inspiração foi um sonho, que considero meu próprio ponto de virada, porque até o dia anterior eu pensava como a profissional de educação que era e para o que eu havia me formado, feito mestrado, então, depois de registrar em papel a história do sonho e ver que havia um grande potencial ali, me enxerguei como escritora e produtora de histórias. Comecei e não parei mais. Hoje, minha inspiração vem de qualquer coisa como uma frase que escuto de alguém, uma paisagem, uma notícia ou um documentário.

3 – Como enxerga o mercado de livros hoje, tem muitas dificuldades esse ramo?

O mercado hoje não é nada fácil, apesar de tantas publicações. A grande maioria das editoras só quer saber de números (seguidores, visualizações, curtidas) e não exatamente buscam grandes histórias. Pequenas editoras não arriscam, embora sejam as que mais publiquem novos autores e autores nacionais. Um número gigantesco de escritores entrou no mercado e junto também textos de baixa qualidade, o que acabou por fazer leitores generalizarem os autores nacionais e olharem a todos com desconfiança. O mercado se fecha em “bolhas”, que começam em editoras que só aceitam originais que chegam das mãos de “agentes”, até pessoas que são capazes de baixar um livro na amazon só para classificar com uma estrela, mesmo sem ler. Além de “escritores” que forjam números de leituras, de seguidores, compram o próprio livro para fazer subir em rank e leitores que pirateiam e distribuem pdf de livros ao invés de comprá-los (mesmo que custem apenas 2 reais). Enfim… vivemos no mercado literário apenas um reflexo do que o país enfrenta em todas as áreas.

4 – Sempre amou os livros, ou tem alguma outra paixão além deles? E como surgiu a vontade de escrever?

Sim! Sempre amei. Sou uma leitora voraz antes de mais nada. Não consigo ficar sem ler, isso me angustia. Minha outra paixão sempre foi ensinar, por isso me formei em pedagogia e fiz mestrado em educação. Também adoro cinema, o que foi um dos fatores que me levou a fazer curso de roteiro. Escrever histórias é algo que sempre gostei de fazer, minhas aulas preferidas na escola eram as de redação. Como muitos adolescentes, gostava de escrever em diários, mas só há dez anos descobri como era libertador escrever longas histórias e criar mundos. rsrsrsrsr

5 – Só trabalha com livros ou tem mais algum trabalho fora desse mundo?

Atualmente eu só trabalho com livros, mas não é fácil não. É mais um trabalho de paixão, teimosia e resistência, do que gerador de renda.

6 – Você vem trabalhando em mais algum projeto? Quais suas expectativas para o futuro e como vê o mercado nacional daqui a alguns anos?

Sempre tenho vários projetos, rsrsrsrs. No momento, estou em envolvida em dois projetos que vão além da escrita, que se dirigem a outras mídias. Eu gostaria de dizer que tenho grandes expectativas para o mercado literário nacional para daqui alguns anos, mas, infelizmente, o panorama que se apresenta hoje não é muito positivo. Podem haver muitos novos escritores pipocando todos os dias, mas a qualidade deixa a desejar. Faltam agentes literários que busquem qualidade do material e não números de views, seguidores, ou mesmo alguém dentro de seu círculo de amigos. Faltam editoras que estejam dispostas a realmente apostar em autores sem olhar primeiro seu número de seguidores. Faltam livrarias que não queiram explorar a venda de maneira brutal, cobrando até 60% do preço de capa para colocar um livro na prateleira. Enfim, não é um caminho fácil, mas eu, particularmente, não estou disposta a desistir. Uma das coisas em que acredito é no desenvolvimento de técnicas de vendas e acesso a autores independentes, principalmente com o incentivo de plataformas como a Amazon. Veremos.

7 – Por ser mulher, acredita que tenha certas dificuldades ou desconfianças?

Não. Nunca. As maiores dificuldades que enfrentei e enfrento nesse mercado literário vieram do preconceito sim, mas do preconceito quanto ao gênero literário (fantasia e ficção histórica, principalmente). Um exemplo é minha série As Filhas de Dana, uma ficção histórica que passa na inquisição e que tem mulheres chamadas de bruxas (mas não são as bruxas de contos-de-fada e, sim, mulheres reais que enfrentaram a perseguição). Os leitores amam a história, mas já passei por agentes e editoras que não quiseram “arriscar”. Para você ter uma ideia, uma editora chegou a dizer que não podia publicar porque a maioria de seus leitores era evangélica.

8 – Quem é a Simone?

Difícil, hehehehe

Sou uma pessoa de gostos simples, que ama viajar, mas também adora ficar em casa. rsrsrsrsr

Sou escorpiana, teimosa, crítica e não gosto que me digam o que fazer ou como pensar. Sou mãe, casada há quase trinta anos e tenho um cachorrinho. Desconfiada e não esqueço um ultraje, uma injustiça. Amo filmes, séries, desenhos (clássicos e animes), tenho muitos quadrinhos, que vão de Turma da Mônica e Sandman. Não leio autoajuda. Joguei RPG nos anos 80 e tenho coleção de jogos de mesa. Gosto de cozinhar e cozinho bem.

9 – Jogo rápido com você.

Personagem preferido? – Uthred (Crônicas Saxônicas, de Bernard Corwell)

Filme preferido? – (difícil!!) Coração Valente, Senhor dos Anéis…

Série preferida? – Guerra dos Tronos, The walking dead.

Herói preferido? – Batman

Vilão preferido? – Negan

Livro preferido? – Nossa, difícil… tenho alguns como: A menina que roubava livros; O Nome do Vento.

Melhor história em um livro que leu? – Mais difícil ainda, rsrsrsr porque depende do gênero literário.

Um autor de livros? – Bernard Cornwell

Melhor personagem brasileiro? – Dora (Central do Brasil)

Toddy ou Nescau, rs?  Nescau!!! rsrsrsrsr

10 – Qual dica deixa para quem está começando nesse mundo?

Escreva bem, muito bem. Não se contente com um texto mais ou menos. Seja muito autocrítico. Pense em oferecer ao leitor um texto com a qualidade que gostaria de ler. Exercite sua escrita sempre e pesquise, muito, porque não há, para mim, coisa pior do que um texto incoerente, sem qualquer verossimilhança ou com erros infantis. Crie uma narrativa cativante e não copie ideias alheias (famosas ou não) e pense: essa história é só para mim ou eu quero que outros leiam? Acreditem, isso faz muita diferença.

11 – Deixe os contatos onde os leitores poderão adquirir suas histórias e falar com você.

No meu site: www.simoneomarques.com

No meu blog: http://simoneomarques.blogspot.com.br

Eu estou nas redes sociais:

Facebook: https://www.facebook.com/Simone.O.Marques.escritora

Instagram: simone_o_marques

Twitter: si_omarques

12 – Simone, a Caverna do Herói não tem palavras para agradecer pela oportunidade.

Desejamos sucesso nessa sua caminhada, e se você quiser falar alguma coisa, essa é a hora.

Eu que agradeço a oportunidade de falar um pouco sobre meu trabalho e pelo carinho.

Aproveito para convidar a conhecerem minhas obras. Para quem gosta de fantasia e aventura, as séries Crônicas do Reino do Portal (O enigma da adormecida; Lago de Fogo; Arena de Tártaro) e Os tesouros da Tribo de Dana (Dois Mundos; Fadas e Druidas). Quem gosta de ficção histórica vai gostar da saga As Filhas de Dana (Paganus, Samhain e Beltane). Para quem curte vampiros, a série Sabores do Sangue (Agridoce, Cítrico, Etílico) e para quem aprecia romance contemporâneo, a série Símbolos Celtas (Triskle).

Beijos. =)

Confira alguns de seus livros já publicados:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Gouvea

Paulo Gouvea é Gestor e Editor do Caverna do Herói. Sempre buscou trabalhar em algo voltado para o publico Geek. Conforme o tempo foi passando, conheceu a Caverna e entrou para o grupo para buscar esse sonho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *