EA | Ações desvalorizam US$ 3,1 bilhões após Battlefront 2

O episódio envolvendo o uso abusivo de microtransações em Star Wars Battlefront 2, que revoltou muitos jogadores, gerou tanta repercussão negativa à Electronic Arts que deixou seus investidores preocupados.

De acordo com a CNBC, as ações da empresa registraram uma queda de 8,5%. Isso significa uma perda no valor para os acionistas na ordem de US$ 3,1 bilhões. Em comparação, a Activision Blizzard e a Take-Two tiveram, respectivamente, valorização de 0,7% e 5%, deixando claro que Star Wars Battlefront 2 foi o responsável pelo tombo nas ações da EA.

O analista Doug Creutz escreveu uma nota aos seus clientes dizendo que embora as vendas iniciais de Battlefront 2 possam ser uma preocupação para investidores, isso é apenas a ponta do iceberg uma vez que a posição da indústria com as microtransações está caminhando para uma direção diferente.

“Battlefront 2 é a ponta do iceberg. A maior controvérsia recente centralizou-se em volta de Star Wars Battlefront 2 da EA, onde evidências iniciais sugerem a irritação do jogador sobre uma economia de caixa de loot mal gerida que pode de fato estar impactando as vendas iniciais. Achamos que chegou a hora da indústria estabelecer coletivamente um conjunto de padrões para implementação de microtransações, para reparar as percepções danificadas dos jogadores e evitar a ameaça da regulamentação.”

Com uma queda dessa magnitude nas ações, a EA muito provavelmente precisará mudar as estratégias de monetização para seus jogos. Sobre a indústria como um todo, realmente ela terá de definir diretrizes para evitar que as microtransações e caixas de loot sofram regulamentações governamentais.

Apesar da desvalorização nas ações e as críticas dos jogadores, no ano as ações da EA valorizaram 39% até o dia 28 de novembro. Em fevereiro, o executivo da EA, Blake Jorgensen, disse que as microtransações de Ultimate Team em títulos da EA Sports geraram US$ 800 milhões em vendas com margem de lucro elevado em 2016.

A EA pode ter mostrado claramente este ano que não se importa com os jogadores, mas com os acionistas ela se importa e muito. Com a queda nas ações, ela buscará satisfazer novamente o público gamer para agradar as pessoas que investem nela.

Via PSLifeStyle

Gouvea

Paulo Gouvea é Gestor e Editor do Caverna do Herói. Sempre buscou trabalhar em algo voltado para o publico Geek. Conforme o tempo foi passando, conheceu a Caverna e entrou para o grupo para buscar esse sonho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *