Christopher Nolan ataca Netflix?

Christopher Nolan é um diretor de nome forte em Hollywood, e isso não é novidade. Mas também é nome que luta muitas vezes por causas perdidas. Como foi a luta para manter a Kodak e seus negativos para as filmagens, que estavam sendo substituídas substancialmente pelo concorrente direto dos negativos, os arquivos digitais.
E agora, Nolan em entrevista, divulgando seu recente filme, Dunkirk, afirmou que Netflix é uma moda que vai passar, e que não irá nunca substituir o cinema. E ainda elogiou a Amazon, que antes de disponibilizar seus filmes em streaming, coloca-os em exibição em cinemas.


Então, a crítica de Nolan à Netflix não é a produção dos filmes, a crítica dele é referente a disponibilização dos mesmos, que é diretamente aplicada em seu streaming, atropelando a “cinematização”. Contudo, sempre houveram filmes feitos apenas para a TV, não são filmes premiados, geralmente, mas alguns fazem um relativo sucesso, como é o caso de Orações para Bobby (Prayers for Bobby), que por conta da temática abordada com bom enredo, foi muito além do que propriamente entretenimento.
Portanto, fica a dúvida, Nolan está errado ao criticar a Netflix? Uma coisa é certa, a Netflix não fere o cinema, pois, uma sessão de cinema que lota ao custo de R$30 a R$40,00 mesmo com um serviço de streaming por R$ 25,00 /mês com inúmeros filmes, significa que o cinema oferece algo a mais, e o redator aqui arrisca-se a dizer que é uma coisa, a magia do cinema.